terça-feira, 21 de agosto de 2012

A internet e o espelho dos egos... para além existe mais informação!



A internet, enquanto ferramenta, a cada ano se mostra cada vez mais usual, utilizada como fonte de informação, mas será que todos ao pesquisarem tem acesso as mesmas respostas?
Bom, ao julgar que a internet ainda não é ferramenta usual para a maior parte da população, no Brasil, entende-se a partir daí que as informações nela presente são pra poucos. A medida que a interação que esta pode proporcionar também.
Então está posta uma problemática acerca do acesso a informação.
Por isso precisamos elucidar que no Basil  a popularização do PC (Personal Computer), e dos outros aparelhos com conexão, só está acontecendo a poucos anos com incentivos do governo, com o aumento das linhas de crédito e maior poder de compra da população, no entanto a internet banda larga ainda possui velocidades muito ínfimas de transferência de dados e mesmo assim muito cara para os parâmetros dos EUA e da EUROPA, o que traz a reflexão de quem seriam os usuários dessa rede? E como estariam utilizando essa rede?
Uma coisa posso afirmar, o mercado dos sites de busca e relacionamento já estão munidos de diversos filtros que selecionam as informações nas buscas e até mesmo nos comentários de amigos que concordam e/ou discordam de suas opiniões. 
Dessa forma devemos começar algumas simples reflexões quanto ao serviço e uso dessa ferramenta! Como a quem tem servido a internet? E qual é a internet que queremos? Sabemos utilizar a internet?Nós enquanto usuários deveríamos conhecer melhor como funcionam os sites e a grande rede a qual chama-se de internet,  para aprender a extrair mais informações e não aquelas que os sites de busca nos fornecem com seus diversos filtros como dito pelo autor Eli Pariser no seu livro "O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você" observa-se a partir desta leitura as ferramentas que sites de busca disponibilizam para o cerceamento da informação a qual se pode ter acesso, e para além, também através dos trabalhos do Prof. Dr. Hindemburgo Francisco Pires quando fala da concessão dos EUA, relacionando a localização geográfica dos servidores no mundo e quem tem acesso a toda informação em rede. De modo que temos um claro sinal que tudo pode estar sendo "filtrado" para o consumo de uma informação patrocinada. 
Sendo assim entendo que a internet deixa por hora de ser uma ferramenta de ampla abertura de debate e reflete o espelho dos egos daqueles que a acessam. De modo que é difícil criar um local de debate de ideias, e pessoas que de fato as façam em rede, e desrespeitam-se muitas vezes mascarando-se atrás de falsas identidades que multiplicam perfis "fantasmas"  e abarcam uma multiplicidade cada vez mais cega diante do vasto hipertexto que compõe a internet.
Então como ver além daqueles que são reflexos daquilo que concordamos?  A reflexão torna-se iminente, e CASTELLS coloca uma citação de MITCHEL em seu livro "Galáxia da internet" que diz que "O poder do lugar ainda prevalecerá... Ambientes físicos e cenários virtuais funcionarão de maneira interdependente e na maioria das vezes usaremos redes para evitar lugares. Outras, porém, continuaremos indo a lugares para nos interconectar." (MITCHELL, 2000, p.155 apud CASTELLS, 2001, p. 195) ou seja, se temos o desejo de nos conectar, precisamos antes nos interconectar para criar novas conexões e assim dinamizar e ampliar a divulgação e troca de informação! Então apresenta-se a dinamização de um debate que por vezes não ocorre nas redes sociais por que sua maioria possui um discurso próximo ao seu, e por vezes fadados aos concordismos e mensagens repetitivas.
E por isso saber utilizar as redes é de extrema importância, e reconhecer-se nela também de maneira a não permitir-se enganar pelas armadilhas que possui, compreendendo que não é "TODO MUNDO" que está no seu perfil! As pessoas que você conhece NÃO são a maioria... e por isso não estranhe se aquilo que você ouvia/lia nas redes se der de maneira totalmente diferente no cotidiano. Isso é só mais uma prova de que a lógica das respostas não está nas redes, mas elas podem ser utilizadas enquanto ferramentas para promover encontros e discussões, quando bem utilizadas.
Por isso, estas breves provocações para repensarmos o uso que temos dado as ferramentas que o mundo em rede nos oferece. Pensando também de que formas a (re)produção do espaço geográfico, seus conceitos e categorias são pensados posto que as tecnologias de informação e comunicação se fazem tão importantes na construção deste espaço como afirma SANTOS (1996) "Da mesma forma como participam da criação de novos processos vitais e da produção de novas espécies (animais e vegetais), a ciência e a tecnologia, junto com a informação, estão na própria base da produção, da utilização e do funcionamento do espaço e tendem a construir o seu substrato. (SANTOS, 1996 p.238)".
Assim eu fecho este texto convocando o debate que se faz mais do que necessário! Quanto a temas que envolvem a produção do espaço e suas categorias e conceitos, TIC's e democratização dessas ferramentas no cotidiano! Grande abraço a TOD@S...